sábado, 22 de maio de 2010

E milhas a trilhar antes de dormir...

Stopping by Woods on a Snowy Evening

Whose woods these are I think I know.
His house is in the village, though;
He will not see me stopping here
To watch his woods fill up with snow.

My little horse must think it queer
To stop without a farmhouse near
Between the woods and frozen lake
The darkest evening of the year.

He gives his harness bells a shake
To ask if there’s some mistake.
The only other sound’s the sweep
Of easy wind and downy flake.

The woods are lovely, dark and deep,
But I have promises to keep,
And miles to go before I sleep,
And miles to go before I sleep.

Parando pela Floresta em uma Tarde Nevadiça

De quem é esta floresta eu penso saber.
Sua casa, porém, está na aldeia;
Ele não me verá parando aqui
A observar sua floresta encher-se de neve.

Meu pequeno cavalo deve estranhar
Parar sem um estábulo por perto
Entre a floresta e o lago congelado
Na noite mais escura do ano.

Ele dá aos seus arreios um chacoalho
A perguntar se há algum engano.
O único outro som é o varrer
Do vento leve e neve macia.

A mata é adorável, escura e profunda,
Mas eu tenho promessas a cumprir,
E milhas a trilhar antes de dormir,
E milhas a trilhar antes de dormir.
-
Esse poema fala de uma pausa.
De repente algo na paisagem te chama.
Você olha, procura, tenta entender, tenta escutar. Escuta.
A mata é mesmo muito sedutora, me oferece uma paz que só ela pode,
Mas ainda não é hora, tenho minhas promessas e minhas milhas...

*O poema é do Robert Frost e a tradução é do Calebe.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Cadê você?

Chico Buarque - Cadê você
(João Donato e Chico Buarque)

Me dê noticia de você
Eu gosto um pouco de chorar
A gente quase não se vê
Me deu vontade de lembrar

Me leve um pouco com você
Eu gosto de qualquer lugar
A gente pode se entender
E não saber o que falar

Seria um acontecimento
Mas lógico que você some
No dia em que o seu pensamento
Me chamou.

Eu chamo o seu apartamento
Não mora ninguém com esse nome
Que linda a cantiga do vento
Já passou

A gente quase não se vê
Eu só queria me lembrar
Me dê noticia de você
Me deu vontade de voltar.

Não gostei da música em si,
apesar da agradável melodia, mas a LETRA?
Me faltam palavras pra descrever os detalhes
das tantas saudades que ela me traz.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Dica de como superar a fase "Pós Namoro"...

Vagabundando pelo PdH achei um comentário bastante pertinente.
Era de um japa. Fui no blog dele e achei algumas coisas sobre java e outras que não tenho interesse, de repente encontrei esse post que fala de um problema comum à todos.
Espero que tenha serventia pra outros como teve para mim.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

E um dia ela se tocou...

Fiquei muito contente em ler esse texto tão belo, que exprime com a autoridade de só quem sentiu na pele, as sutilezas da[s] auto-descoberta[s] e uma certa liberdade, aquela liberdade tão íntima e tão subjetiva.
Gostaria que mais pessoas ousassem como essa garota ousou e conquistassem o que ela conquistou.


http://papodehomem.com.br/um-dia-ela-se-tocou/

terça-feira, 4 de maio de 2010

por Francisco

"Fazei-me instrumento de Sua paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado, [...]" -Francisco